quarta-feira, 9 de novembro de 2016

"Flagging" (2016) Série de Miami

A primeira vez que vi alguém rodando bandeira foi quando morei no México em 2004. Um amigo havia ironicamente comprado seu par de bandeiras no Brasil, quando esteve lá de férias. Fiquei encantado com a fusão das cores e com a possibilidade de criar movimentos ao som de um bom house music: claro que pedi pra experimentar e foi mágico. Depois daquilo, tive certeza que quando encontrasse essas bandeiras à venda, compraria uma pra mim.
O tempo passou...
Já em Miami, no fim de 2015, eu estava fazendo uma pesquisa de imagens, e em uma das buscas, apareceu a imagem de um circense rodando bandeira. Tive uma sensação engraçada, dessas que a gente sente quando por exemplo lembramos de algum brinquedo que tínhamos ao vê-lo em uma foto dos tempos de criança. Dessa vez, a internet me ajudou a encontrar onde poderia encomendar uma, e o fiz. Quando minhas bandeiras chegaram, desci com elas pra área da piscina do prédio onde morava e foram ali horas de diversão. A partir dali, comecei a carregar essas bandeiras na mochila. Pegava minha bike, partindo da West Avenue com 13 Street, passando pelo South Park Point e de lá por toda orla de South Beach, ate na 73 em North Beach. Quando eu encontrava uma área aberta como jardins, praças ou na própria praia, lá estava eu fazendo meu flagging. Longe do Brasil, da família e dos amigos, numa cidade diferente, com novos desafios e obstáculos a transpor, essas bandeiras me ajudaram a colocar pra fora o sentimento que tava apertado por dentro. O desenho "Flagging" é uma homenagem a esse momento.

domingo, 16 de outubro de 2016

"A Àrvore" (2016) - Série de Miami

     Minha paixão por desenhos vem de muito longe. Minha mãe me conta que quando eu tinha quatro anos de idade já adorava desenhar. Lembro-me que lá pelos meus seis ou sete anos, encontrei num grande baú que tínhamos na nossa casa, alguns cadernos de magistério da minha mãe cheios de ilustrações e desenhos feitos por ela. Olhar aqueles desenhos me deixava simplesmente encantado. Mamãe também pintava quadros, fazia tricô, crochê, tapete arraiolo, bordados, e pintura em tecidos. Naturalmente, todas essas habilidades resultaram em inspiração para mim.

  A partir dos meus oito anos eu já tinha consciência de que folhas de papel em branco e lápis de cores apontados eram tudo o que eu precisava pra dar forma às idéias que pipocavam na minha cabeça.   Os desenhos animados da minha infância também me inspiraram. Alguns em especial como He-man, She-ha, Thundercats, Caverna do Dragão e Cavalo de Fogo, combinados com a minha imaginação foram temas constantes nos meus desenhos. Muita fantasia e cores. 

  "A Àrvore", é o primeiro desenho de uma série de seis que fiz nos três primeiros meses de 2016. Ao visualizá-lo, ´posso perceber o quanto aquelas experiências da infância ainda estão presentes nos meus traços e nas cores que elejo. A minha "Série de Miami" é a expressão de cores, formas, experiências e emoções vividas naquela cidade do estado da Flórida, nos Estados Unidos.